domingo, 12 de abril de 2015

Action Cam

Jonas! Que fazes? Pergunta Jaime com preocupação vendo o seu colega indo para o convés.
Jonas estava armado de sua "action cam" e dirigia-se para o convés debaixo de uma tempestade brutal, o mar galgava o convés e varria-o de bombordo a estibordo arrastando tudo o que se encontrava solto. Já se tinham perdido vários bidões de óleo que tinham ficado mal estivados, os cabos que os peavam tinham rebentado. O óleo derramado, espalhado no convés agarrava-se pastoso e escorregadio ás chapas do convés esperando que uma vaga mais forte o arrancasse e o levasse para o mar. Pequenas peças de peamento encontravam-se espalhadas ao longo do chão marcando o fluxo da água do mar que tudo arrastava. Era um cenário de destruição a raiar o apocalíptico. O comandante já tinha reduzido a máquina e mudado o rumo para um de mais feição para aguentar a força da tempestade. O silêncio a bordo era sepulcral tal era a preocupação de toda a tripulação, o mar estava mesmo bravo e o navio não era novo.
Apenas Jonas não pensava assim, estava apaixonado pela fotografia e pequenos filmes, pequenas notas dizia ele. E esta tempestade era o momento tão esperado para a poder documentar com imagens. Mal apanhou uma aberta, equipou-se com a sua "action cam" e saltou para o convés para filmar a realidade de uma tempestade. Jonas era uma pessoa impulsiva, reconhecia e media o perigo mas gostava de o desafiar, aborrecia-o apenas o facto de fisicamente não estar nas melhores das formas mas isso não o impedia de seguir em frente com o seu projecto para no fim o exibir como um troféu, exibia-o com um sorriso de criança traquina.
Estava frio, o vento era gelado, carregado de farripas de água cortante, Jonas vestiu uma parka para se proteger, para proteger o peito do frio que se fazia sentir. Começou as descer as escadas que davam acesso ao deck analisando o comportamento da água, o seu objectivo era atingir a área entre os porões e ter acesso aos dois bordos do navio e poder escolher o que fornecesse melhores imagens.
Deu os primeiros passos em corrida e ficou com os pés encharcados, a água corria louca com uns bons centímetros de altura escorrendo pelas aberturas laterais, a água estava a entrar bem pelo lado de estibordo Jonas tinha que se apressar, os corredores laterais eram umas armadilhas mortíferas, numa viagem anterior um homem tinha sido arrastado e só não se perdeu porque conseguiu agarrar-se ao varandim. 
Escolhido o seu posto, uma zona protegida pelos grandes macacos hidráulicos para a abertura dos porões, escolhidos os pontos de apoio para se agarrar em caso de necessidade Jonas começou a filmar. Com grande desgosto o mar pareceu acalmar de repente, a água não subia, as vagas eram ralas, o navio seguia direito e nada acontecia. Jonas foi fazendo pequenas notas de filmagem mas as imagens obtidas eram nada, não conseguiam mostrar a força da tempestade.
O frio e os pés molhados começavam a incomodar mas Jonas não arredava pé quando se apercebe, lá á proa no navio se começa a desenhar uma vaga maior. Preparou a máquina, começou a filmar de imediato, mais tarde poderia cortar o que não interessava. Jonas usava uma haste para segurar a câmera de modo a que ela estivesse no corredor de estibordo mantendo-se abrigado atrás dos macacos. Ia espreitando para ver o andamento do mar quando de repente o navio dá um salto e inclina-se todo a estibordo fazendo com que uma vaga entrasse á proa e começasse a varrer tudo á sua frente. O impacto da água na máquina foi tremendo mas a haste aguentou mas a imagem vacilou ficando tudo submerso. Jonas ficou encharcado, a previdência de ter estado protegido e agarrado fez com que não tivesse saído pelos escoadouros a ré do deck.
Jonas tinha a imagem que queria mas sem baixar a guarda esperou por uma boa aberta e refugiou-se no casario.
Mal viu um membro da tripulação Jonas com um sorriso de menino traquinas foi mostrar o filme da sua última traquinice. Os sons de exclamação do pessoal ao ver as imagens eram música para o seu ego.
Mais tarde foi compor o seu filme e publicá-lo numa rede social. Estas coisas só têm piada quando são mostradas.  

Sem comentários:

Publicar um comentário

Uma gaivota disse: